quinta-feira, 29 de setembro de 2011

AS SUB-REGIÕES DO NORDESTE: Zonas geográficas. Avaliação 7º ano

Para que se pudesse analisar de forma mais fácil as características da região Nordeste, o IBGE dividiu a região em quatro zonas (sub-regiões):
  • Meio-Norte: É uma faixa de transição entre a Amazônia e o Sertão nordestino. Engloba o estado do Maranhão e o oeste do estado do Piauí. Esta zona geográfica também é conhecida como Mata dos Cocais, devido às palmeiras de babaçu e carnaúba encontradas na região. No litoral chove cerca de 2.000 mm anuais, indo mais para o leste e/ou para o interior esse número cai para 1.500 mm anuais, e no sul do Piauí, uma região mais parecida com o Sertão, chove 700 mm por ano em média.
  • Sertão: Está localizado, em quase sua totalidade, no interior da Região Nordeste, sendo sua maior zona geográfica. Possui clima semi-árido. Em estados como Ceará e Rio Grande do Norte chega a alcançar o litoral, e descendo mais ao sul alcança a divisa entre Bahia e Minas Gerais. As chuvas nesta sub-região são irregulares e escassas, ocorrendo constantes períodos de estiagem. A vegetação típica é a caatinga.
  • Agreste Nordestino: É uma faixa de transição entre o Sertão e a Zona da Mata. É a menor zona geográfica da Região Nordeste. Está localizada no alto do Planalto da Borborema, um obstáculo natural para a chegada das chuvas ao sertão. Se estende do Rio Grande do Norte até o sul da Bahia. Do lado leste do planalto estão as terras mais úmidas (Zona da Mata); do outro lado, para o interior, o clima vai ficando cada vez mais seco (Sertão).
  • Zona da Mata: Localizada no leste, entre o planalto da Borborema e a costa, se estende do Rio Grande do Norte ao sul da Bahia. As chuvas são abundantes nesta região. Recebeu este nome por ter sido coberta pela Mata Atlântica. Os cultivos de cana-de-açúcar e cacau substituíram as áreas de florestas. É a zona mais urbanizada, industrializada e economicamente desenvolvida da Região Nordeste.[9] O povoamento desta região é muito antigo.
CAUSAS DA SECA NO NORDESTE
A falta de chuvas regulares no Nordeste resulta de três fenômenos, segundo técnicos do INPE: a temperatura da água do Oceano Atlântico, o fenômeno El Niño, no Pacífico, e a pouca umidade atmosférica.
No litoral estão as planícies e tabuleiros, e, numa parte leste (mas não no litoral), está o planalto da Borborema, que é um dos principais responsáveis pela seca (impede as chuvas de chegarem ao sertão.)

EFEITOS da SECA de
Ordem Natural: Vegetação da Caatinga fica ressecada.
Ordem Populacional: a falta de água.
NORDESTE UMA REGIÃO em MUDANÇA, exemplos:
Cidades nordestinas estão recebendo reconhecimento nacional e internacional pelos seus polos, centros e institutos tecnológicos. Um exemplo é Recife, que abriga o Porto Digital, um polo de desenvolvimento de softwares criado em julho de 2000. Ele é reconhecido como o maior parque tecnológico do Brasil em faturamento e número de empresas.
O Polo Petroquímico de Camaçari, no estado da Bahia, é o maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul. Abriga, entre outras empresas, uma fábrica da Ford[19], a primeira montadora de automóveis da Região Nordeste.
Os principais produtores nordestinos de Petróleo são o Rio Grande do Norte (que em 1997 era o 2º maior produtor petrolífero do país), a Bahia e Sergipe, sendo que nos dois últimos as principais bacias estão no mar.

Referências
http://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Nordeste_do_Brasil
PIRES, Beluce Bellucci. PIRES, Valquiria. Projeto Radix: geografia, 7º ano. São Paulo: Scipione, 2009.

Clique nos links e leia mais sobre o Nordeste
http://mundoeducacao.uol.com.br/geografia/o-nordeste-as-subregioes.htm
http://www.curso-objetivo.br/vestibular/roteiro_estudos/nordeste_sertao_secas.aspx
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-aquecimento-global/efeito-el-nino.php
 O problema da seca no Nordeste é mais uma questão política do que climática, pois o probelma poderia ser resolvido com construção de poços e aproveitamento da água da chuva, no entanto, parte das verbas destinadas pra esse fim é desviada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário